28 novembro, 2006

Flexisegurança

Duas meias de leite, uma bola de Berlim, um eclair e meia hora de conversa foi quanto bastou para ter chegado à conclusão que este blog está cada vez mais político e menos blog. Mas olhando à volta nos meus blogs de referência (não tenho paciência para os citar aqui, por isso pesquisem à vossa direita...) o nosso país está político, aliás, politico-económico com um leve trago a subsídios culturais.

Tenho andado a ler uns comentários giros à acção do governo. Mas mais interessante do que isso, tenho visto que uns quantos acéfalos têm vindo a público defender o governo da nação... para eles o povo escolheu quem queria para governar no dia 20 de Fevereiro de 2006, esquecendo-se, esses tais acéfalos, que do governo anterior eram capazes de dizer que governava contra-natura. Ora, sobre a legitimidade de governos já disse o que tinha a dizer: os governos não se elegem, elegem-se deputados e Presidente... depois é lá com eles a tarefa de criar governo. Por isso, nem este governo nem os anteriores governos (pelo menos os desta república e da anterior) foram, por assim dizer, eleitos pelo povo.

Normalmente podia escrever bastantes coisas sobre estes acéfalos... mas limito-me a propô-los para cobaias do novo código de trabalho, que só no nome difere do flexisegurança proposto pela União Europeia... a ver se continuam a aplaudir.

1 comentário:

mac disse...

O Governo do Povo, pelo Povo e para o Povo, deve ser uma quimera, um conto de fadas que nos contam desde os Gregos.